Pesquise no Mida do Futuro

31 março 2010

YouTube: novo visual simplifica site de vídeos


YouTube muda de cara a partir de hoje. Segundo o texto publicado por Henrique Martin no site da UOL, finalmente o Google entendeu que um monte de recursos novos inseridos no supersite de vídeos estavam entulhando cada vez mais a página, e a opção foi pela simplicidade. “Quisemos trazer de volta o foco para o vídeo”, promete Shiva Rajaraman, diretor mundial de produto para YouTube.
As mudanças, entretanto, são também de usabilidade. Menus drop-down unificam áreas específicas (número de vídeos do canal, por exemplo), as listas de vídeo ficam mais fluidas na lateral direita (note que o espaço publicitário continua ali). “Lançamos muitos recursos nos últimos dois anos e eles eram forçados a competir um com o outro”, afirmou Rajaraman, em uma conferência por telefone ontem à tarde.
O projeto do novo desenho levou oito meses para ficar pronto, e as novidades vem sendo testadas nos últimos dois meses com usuários selecionados. Agora, “pelas próximas seis semanas, vamos testar novamente as otimizações baseados no retorno dos usuários”, diz o diretor.


Pra mim, a grande mudança aparece no fim das estrelinhas de avaliação de cada vídeo: agora, apenas um “polegar pra cima” ou “polegar para baixo” para mostrar se gosta ou não do tema – e um mais um menu drop-down abre as estatísticas (de quantos gostaram ou não). Comentários mais bem avaliados vão para o topo, mas faço parte da turma que já desistiu de ler comentários sem nenhum nexo no YouTube, então deixa pra lá (não entendo como a audiência do YouTube consegue ser tão… nem aí pra tudo e escreve qualquer besteira).
De qualquer modo, ainda acredito que o YouTube é a grande rede social que o Google ainda não entendeu que é sua… grande rede social – ou por qual outro motivo o site me indicaria amigos/contatos/canais com tanta facilidade?
Screenshots do novo YouTube: um do site antes da mudança, um depois da mudança e um pequeno guia (em inglês) do que mudou. A nova interface passa a valer para todos a partir desta quarta (se não der problema na migração, né?).



26 março 2010

Os investimentos nas mídias sociais continuam


O jornal O Globo criou um novo cargo para aumentar sua presença na web 2.0, o de editora de mídias sociais. A função ficará sob responsabilidade da jornalista Nívia Carvalho, ex-coordenadora de Treinamento e Desenvolvimento da Infoglobo. O objetivo da empresa é aumentar o relacionamento da Redação com as mídias sociais e a interação dos leitores com o jornal.

“Muito do trabalho nesse momento é incentivar o melhor uso de redes sociais entre os jornalistas, encontrando caminhos que tornem as ferramentas naturais em nosso dia a dia. Com isso, amplia-se a cultura da publicação descentralizada, levando a mais leitores o que temos de melhor, a informação; e abrindo mais um canal de interação com nosso público”, explica Nívia.





A jornalista diz estar “duplamente feliz”. “(...) pela iniciativa da empresa, pioneira na incorporação da interatividade na produção jornalística e que agora dá mais um passo nessa direção ao investir em mídias sociais; e por mim, que tenho a oportunidade de participar, de alguma forma, do processo de transformação da produção e da distribuição de conteúdo a que estamos assistindo nos últimos tempos”.

Para ela, O Globo já evoluiu muito na interação com os leitores, com uma média de 10 mil participações por dia e 150 contribuições diárias dos leitores, na área de jornalismo participativo, além das contas no Twitter, com destaque para a de Patrícia Kogut, que já tem quase 58 mil seguidores e a do Blog do Noblat, com mais de 30 mil. Mesmo assim, Nívia ressalta que ainda há mais a alcançar. “Mas claro que sempre temos o que melhorar, conhecendo cada vez melhor a audiência (a que temos e o que esperamos atingir) e marcando nossa presença em várias redes sociais, sem esquecer que cada uma tem seu próprio DNA”, afirma.

Texto do comunique-se.

21 março 2010

TV Globo vai abrir escola técnica de mídia eletrônica

De acordo com o site comunique-se, as Organizações Globo assinaram um convênio com o Governo de São Paulo para a implantação de uma escola técnica (Etec) voltada para a mídia eletrônica. O convênio foi assinado nesta sexta-feira (19/03), por Roberto Irineu Marinho, presidente das Organizações Globo, e José Serra (PSDB), governador do estado.
A escola deverá ser construída pela TV Globo, em parceria com o Centro Paula Souza, do governo paulista, e a Fundação Roberto Marinho. A Etec vai funcionar na região do Brooklin, perto dos estúdios da Globo, e deve ficar pronta em 2011. A emissora, que doou o terreno e será responsável pela construção, ainda não divulgou o valor do investimento.




Serão oferecidas 240 vagas para cursos de Multimídia, com duração de três semestres, e Produção de Áudio e Vídeo, com duração de quatro semestres. O Centro Paula Souza ficará responsável pelo processo seletivo, contratação de professores e infra-estrutura.
“É uma Etec pioneira. São cursos inovadores de dois anos, que terão uma demanda muito grande. Cada aluno deve custar R$ 3,5 mil por ano, uma produtividade altíssima. Ter boa mão de obra qualificada, força de trabalho preparada, é bom pra quem trabalha e para quem emprega”, afirmou Serra.
Roberto Irineu Marinho disse que o convênio com o Estado é uma forma de a empresa colaborar com o ensino profissionalizante. “Esta é uma maneira de contribuir para a formação dos jovens. O ensino profissionalizante é essencial para o nosso país”, ressaltou o presidente das Organizações Globo.
Além de Serra e Marinho, participaram da cerimônia o secretário de Desenvolvimento, Geraldo Alckmin; a diretora superintendente do Centro Paula Souza, Laura Laganá; o secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, Hugo Barreto; e o diretor-geral da TV Globo, Octávio Florisbal.

16 março 2010

A emergência do Ciberespaço

Para o início do meu trabalho de conclusão de curso, estou lendo o livro CIBERCULTURA, de Pierre Levy. A sua primeira edição foi em 1999, mas ele preveu muita coisa que acontece nos dias de hoje. Como a evolução das mídias sociais e a influência delas na vida das pessoas.
Recomendo o livro para quem quer entender um pouco mais desse universo... As técnicas determinam a sociedade ou a CULTURA????



Casamento pela Web:

Várias pessoas se conhecem pela web e ate começam a namorar pela internet. Agora, se depender do Senado, o requerimento para para o casamento tambem podera ser feito pela rede mundial de computadores hehe. A Comissão de Constituição e Justiça aprova o projeto que autoriza o requerimento de habilitação para o casamento civil via web. Com a aprovação da lei, o casal nao precisara ir ao cartório para realizar o serviço. Mas terá que ir para efetivar a união civil. 

Moderno hein? E melhor que casar em Las Vegas depois de beber...



06 março 2010

O novo jeito de planejar a carreira

A revista Você S/A é  show! Várias dicas para a escolha de uma profissão, desenvolvimento de carreira e organização de finanças. Segue uma matéria que eu gostaria de compartilhar com vocês!

As novas tecnologias, a dinâmica acelerada do mercado e a guerra por talentos estão criando oportunidades e mudando a forma de pensar a carreira. Se você ainda não percebeu, está atrasado!


UMA NOVA LÓGICA

As mudanças pelas quais os profissionais e o mercado de trabalho vêm passando subvertem a lógica de que o salário é a coisa mais importante — até mesmo a AmBev, que adota um modelo agressivo de remuneração em troca de dedicação quase que exclusiva ao trabalho, já entendeu isso e há alguns anos está reformulando suas práticas de gestão de pessoas. “Está cada vez mais claro que é um erro acreditar que o dinheiro decide tudo. As pessoas ainda são guiadas pelo interesse próprio, mas não quer dizer que ele seja monetário. Pode ser por reputação, atenção, expressão, respeito, sentido de comunidade”, diz o físico e jornalista inglês Chris Anderson no livro A Cauda Longa, de 2007.

Embora possa chocar, essa nova visão é muito mais uma evolução do que uma revolução. Justamente pelo fato de que todas essas transformações vêm sendo previstas desde os anos 70 do século passado, observa o professor Thomas Malone (leia entrevista com ele na página 36), da escola de negócios Sloan, do Massachusetts Institute of Technology (MIT), e autor do livro O Futuro dos Empregos (Harvard Business School Press). “A diferença é que essas coisas, agora, estão acontecendo”, diz Thomas na entrevista. Isso faz com que a ideia de crescimento, experiência e sucesso profi ssional não se resuma a salário, diploma e cargo.

Por trás dessa transformação, há fatores como a evolução da tecnologia da informação, o enxugamento das empresas e a terceirização, que deixaram na mão do profi ssional a responsabilidade pela sua qualifi cação. Tudo isso reduziu a previsibilidade da carreira e aumentou a competição no mercado de trabalho, o que obrigou os profi ssionais a se reavaliarem constantemente e a investir em suas carreiras de modo continuado. “Os profissionais não vendem mais para as empresas só o seu trabalho, mas seu portfólio de competências”, diz o professor Antônio Del Maestro Filho, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O que existe de mais novo é que a geração de profi ssionais abaixo dos 30 anos já chega com essa mentalidade e traz outras novas questões ao mercado de trabalho. “Os jovens de hoje fi cam em uma empresa pelo projeto que ela oferece, e não pela marca. Por isso eles vestem, sim, a camisa da empresa, mas por cima da sua”, diz a consultora Stella Angerami, sóciadiretora da Counselling by Angerami, empresa de aconselhamento de executivos de São Paulo.

Além disso, novas oportunidades de trabalho surgem constantemente. “Tenho difi culdade de ajudar as pessoas a gerenciar a carreira na empresa, porque muitas das funções que elas ocupam ainda não têm nome ou sofrem alguma alteração com muita frequência”, diz Marcelo Marzola, presidente da Predicta, consultoria que analisa campanhas publicitárias na internet, com sede em São Paulo.